Blog da Morango

Categorias

Histórico

Os 9 filmes lésbicos que vão mexer com os seus conceitos

Angélica Morango

17/10/2017 04h00

As atrizes Cate Blanchett e Rooney Mara em cena do filme “Carol”. (Foto: Divulgação)

Estava eu linda e bela – mentira, de moletom e coque – produzindo uma lista com meus filmes lésbicos preferidos quando me deparei com uma realidade crudelíssima. A maioria deles não está mais disponível na Netflix! A empresa atualiza seu catálogo periodicamente retirando alguns e inserindo outros, coisa que até então eu não sabia.

Uma lágrima azul escorreu pelo meu olho esquerdo quando percebi que esse clássico da cinematografia dyke, “Azul é a cor mais quente”, não está mais lá. “Meninos não choram”, entre outros, também não. Chorei largada. Mas não precisa tremer o beicinho! Além de poder assistir toda a lista em outras plataformas, dá pra aproveitar os quatro que atualmente figuram no cardápio da Netflix: “Beijando Jessica Stein”, “Minhas mães e meu pai”, “The firefly” e “Margarita com canudinho”.

Conheça todos:

Carol (2015) – Romance
Imagine ser casada com um homem, mãe de uma menina e, durante a ida a uma loja de brinquedos, se apaixonar pela atendente – e vice-versa? Pois é assim que começa o romance Carol, que retrata essa história de amor improvável na Nova York dos anos 50.

Annette Bening e Julianne Moore formam um casal que têm filhos em “Minhas mães e meu pai”. (Foto: Divulgação)

Minhas mães e meu pai (2010) – Comédia dramática
Um casal de lésbicas com dois filhos concebidos por inseminação artificial vive uma fase bem apática no casamento até que os jovens insistem em conhecer o pai biológico. A partir daí a configuração familiar muda completamente.

Meninos não choram (1999) – Drama
Esse filme, que rendeu um Oscar de melhor atriz a Hilary Swank, eu assisti há mais de 15 anos e até hoje duas cenas não me saem da cabeça: uma em que a protagonista coloca uma meia embolada na cueca pra fazer volume e se passar por menino para a namorada, e outra em que ela é violentamente estuprada e espancada. Na época, eu tinha entendido que a personagem era uma lésbica que tinha assumido uma identidade masculina pra ser melhor aceita na sociedade. Eu tinha uma noção rasa sobre realidade das pessoas transexuais e todos os desafios e perigos a que estão submetidas. No fim essa história real, que é um soco no estômago, é sobre um jovem e sua busca por amor, por um lugar e por si mesmo – exatamente como cada um de nós.

Beijando Jessica Stein (2001) – Comédia
Bem sucedida profissionalmente, Jessica Stein é uma jornalista judia que mora em Nova York e não tem no amor o mesmo sucesso que no trabalho. Depois de diversas tentativas frustradas com homens, ela decide responder ao anúncio de uma mulher no jornal – na época não tinha Tinder. Esse filme cheio de clichês sobre lésbicas rende ótimas gargalhadas.

A atriz Kalki Koechelin, em cena de “Magarita com Canudinho” (Foto: Divulgação)

Margarita com canudinho (2014) – Drama
Aqui a descoberta da sexualidade é apenas um dos diversos temas densos abordados sobre a vida de uma jovem com paralisia cerebral. A primeira paixão, a vida em outro país, o prazer, o amor, e uma grande perda. A realidade profunda é abordada de forma tão delicada e colorida que faz do filme um colírio para os olhos e um conforto para o coração.

Assunto de meninas (2001) – Drama
Conflitos familiares, dramas da adolescência, um colégio interno e um fim trágico. Vários clichês dramáticos ajudam a compor essa história de amor pra ser assistida com uma caixinha de lenços do lado.

Monster – Desejo assassino (2003) – Drama
Charlize Theron está irreconhecível – e impecável – no papel da assassina em série Aileen Wuornos. Nessa história real, a protagonista vive o abandono e diversos abusos desde a infância, até que encontra na prostituição um meio de ganhar a vida e sustentar seu relacionamento com outra mulher. Brutalizada por alguns clientes, Aileen se vinga roubando-os e matando-os, até que finalmente é presa pela polícia, dedurada pela amante e condenada à morte.

Lea Seydoux em “Azul é a Cor Mais Quente” (Foto: Divulgação)

Azul é a cor mais quente (2013) – Romance
Vencedor do prêmio Palma de Ouro, o Oscar francês, e aclamado por muitos críticos como o melhor filme de 2013, Azul foi lançado em meio a diversas polêmicas em torno das alegações de más condições de trabalho no set pela equipe e pelas atrizes principais. Preferi assisti-lo em 2015, alheia ao reboliço sobre os bastidores e à excitação do público. Achei bom, bem pornográfico, mas muitíssimo bem construído sobre uma história de amor. As três horas de duração valem cada minuto.

The firefly (2013) – Romance
Uma tragédia marca o início dessa história entre duas mulheres até então heterossexuais. Andres morre num acidente de carro no dia de seu casamento com Mariana, que fica devastada. Então Lucia, irmã de Andres, e Mariana passam a buscar, na companhia uma da outra, forças para superar a perda até que se apaixonam. Conflitos morais e de autoaceitação marcam esse drama romântico que tem um final surpreendente.

Curtiu a lista? Deixe o seu comentário e aguarde a próxima, só de filmes nacionais, com essa temática!

Sobre a Autora

Ana Angélica Martins Marques, a Morango, é mineira de Uberlândia, jornalista, fotógrafa e DJ. É também autora do livro de contos Quebrando o Aquário. Passou pela décima edição do Big Brother Brasil e só foi eliminada porque transformou o temido quarto branco no maior cabaré que você respeita. É vegetariana e cuida de três filhos felinos: Lua, Dylan e Mike.

Sobre o Blog

Um espaço para falar de amor, sexo, comportamento feminino e feminismo com leveza e humor. Tudo sob o olhar de uma mulher esperta, que gosta de mulheres tão espertas quanto ela!

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Blog da Morango
Topo