menu
Topo
Blog da Morango

Blog da Morango

Categorias

Histórico

Da Baixada para o mundo: aos 17, ela já é um expoente do grafite feminista

Universa

02/08/2018 04h00

"Um pouco de mim em cada muro. Da Baixada para o mundo" (Foto: Reprodução/Instagram)

Ela começou a grafitar aos 13 anos de idade e agora, aos 17, tem dezenas de obras, entre murais e quadros, espalhados pelo Brasil – e pelo mundo. Uma de suas criações foi presenteada à Malala Yousafzai na visita recente que a ativista paquistanesa fez ao Rio de Janeiro. Malala, aliás, é uma referência para Priscila Jacomé, a Rooxo: "Aos 12 anos ganhei um livro da Malala, que me inspirou a ser uma jovem militante e fazer alguma diferença com a arte".

Malala com a pintura "As Flores Falam", de Priscila Rooxo (Foto: Reprodução/Instagram)

Nascida e criada na Baixada Fluminense, ela conta que o interesse pelo grafite foi natural, e que uma de suas principais experiências artísticas aconteceram em uma oficina da NAMI, uma ONG feminista que usa as artes urbanas para promover os direitos das mulheres. "Antes de me envolver com o grafite eu passei por diversos questionamentos dentro e fora de casa. Desde os meus 11 anos de idade eu moro com o meu pai, e ele é portador de paraplegia, tendo muitas responsabilidades. A arte, em especial o grafite, me ajudou a enfrentar e a superar meus problemas emocionais", revela Priscila, que, em apenas um ano, passou de aluna a oficineira no projeto Afro Grafiteiras mantido pela ONG.

Leia também:

O "black Twitter" e a revolução da representatividade negra

"Hoje ela é muito maior do que o medo que eles querem impor"

Elas estão por trás das páginas de humor lésbico mais populares da internet

Malala e Priscila Rooxo em muro grafitado pela artista (Foto: Ana Luíza/Reprodução Instagram Rede NAMI)

Feminismo e representatividade nos muros

Grafiteira, ativista social e militante feminista, Priscila explica que, pela predominância no grafite ser masculina, há desafios diários para as mulheres que são artistas urbanas: "ainda sinto aquelas olhadas vindas de homens, não só grafiteiros, que nos deixam muitas vezes desconfortáveis de pintar. Já passei – e passo – por assédios verbais e até físicos. Como costumo dizer, nós somos corpos grafitando nas ruas, sujeitos a várias situações, e a sociedade ainda é muito machista."

Personagem autobiográfico criado por Priscila Rooxo (Foto: Augusto Defon)

Cultura Hip Hop

"Minha primeira paixão foi por muros, grafite, e acho que esse gosto tem relação direta com o Hip Hop. Na cultura Hip Hop existem quatro elementos: o DJ, o BBoy, o MC e o grafite, e as influências de um para o outros rolam explicitamente. Eu frequentava muitas rodas culturais de Hip Hop. Criada em comunidade, ouvinte de rap, me senti incentivada a integrar essa cultura", conta.

"Participo de muitos eventos de grafite em comunidades e procuro sempre conversar e até fazer com que os jovens participem das minhas pinturas. Precisamos mostrar o quanto grafite é acessível e acolhedor para esses jovens", pontua ela que, aos 17, cursando o ensino médio, ainda é bastante jovem, mas já sabe o que pode conquistar. (Foto: Reprodução/Instagram)

Sobre a autora

Ana Angélica Martins Marques, a Morango, é mineira de Uberlândia, jornalista, fotógrafa e DJ. É também autora do livro de contos Quebrando o Aquário. Passou pela décima edição do Big Brother Brasil e só foi eliminada porque transformou o temido quarto branco no maior cabaré que você respeita. É vegetariana e cuida de três filhos felinos: Lua, Dylan e Mike.

Sobre o blog

Um espaço para falar de amor, sexo, comportamento feminino e feminismo com leveza e humor. Tudo sob o olhar de uma mulher esperta, que gosta de mulheres tão espertas quanto ela!