PUBLICIDADE

Topo

Histórico

“Início de um sonho/deu tudo certo”: a história do trisal que bombou na web

Universa

24/06/2020 04h00

Kléber, Renan e Danilo namoram há quatro anos (Foto: Reprodução/Instagram)

Da noite para o dia, literalmente, o trisal de namorados Kléber, Renan e Danilo, de Santos, no litoral paulista, bombou nas redes. O que era só uma declaração de amor nos moldes da brincadeira "início de um sonho/deu tudo certo", acabou arrebatando o coração dos internautas. Milhares. Em poucas horas, a publicação no Twitter recebeu mil comentários e foi curtida e compartilhada quase 60 mil vezes.

O post que viralizou foi uma declaração de amor de Kléber Dias, 27, aos namorados Renan Franco, 27, e Danilo Lucena, 26(Imagem: Reprodução/Twitter)

Início de um sonho

Kléber e Renan se conheceram no Tinder, em 2015. O match virtual levou alguns meses até se materializar em um encontro. A partir daí, a química no primeiro beijo acelerou as tomadas de decisões dos dois, e em pouco tempo eles já estavam namorando e morando juntos. "Desde o começo, a gente conversava sobre relações poliamorosas, sobre conhecer alguém. A gente namorou durante um ano e, nesse ínterim, conheceu o Danilo pelo Instagram", conta Kléber, 27, que é professor de português.

Veja também

Na época, o casal de namorados estava com uma viagem marcada para Fortaleza, mas o interesse de ambos por Danilo, que morava em Niterói (RJ), a 500 quilômetros de distância, falou mais alto.

Início de outro sonho

"A gente desmarcou a viagem pra Fortaleza pra ver o Danilo, porque ele ia fazer uma festa de aniversário. Aquele momento seria o momento em que a gente conheceria não só o Danilo, mas a família e os amigos dele, tudo de uma vez. Foi muito bacana, a gente foi bem recebido por todo mundo e todo mundo sabia o que aquele encontro significava", recorda Kléber.

"A gente nunca viveu relações não-monogâmicas antes" (Foto: Reprodução/Instagram)

Até então, nenhum dos três tinha vivido uma relação não-monogâmica ou poliamorosa. "Eu era um pouco resistente à ideia, mas aí só foi", brinca Renan. "No começo a gente era cauteloso em demonstrar de forma bem equiparada as demonstrações de afeto, mas aí com o tempo foi sendo algo natural", completa.

Deu tudo certo

O que era pra ser só um encontro casual virou uma relação amorosa. Um dia após o primeiro beijo os três já estavam namorando e, seis meses depois, morando juntos e dividindo a mesma cama – o que, no começo, não era lá muito confortável. "Sofremos um pouquinho porque era uma cama de casal, depois é que compramos uma maior. Temos dois gatos e um cachorro, e vira e mexe eles estão lá com a gente também, então de vez em quando aparece uma dorzinha no pescoço, na perna", diverte-se Danilo, ao falar dos mascotes.

Da esquerda para a direita, os mascotes Zuko, Roku e a caçula de quatro meses, Azula (Foto: Reprodução/Instagram)

"Somos privilegiados por nossas famílias aceitarem e respeitarem nossa relação"

"A gente até 'compreende' o tabu que relações poligâmicas enfrentam, justamente pelo fato de sabermos que já não é fácil a vida de um LGBTQIA+, que dirá se ainda aparece com dois (ou mais) namorados… Então, de fato somos privilegiados por nossas famílias aceitarem e respeitarem nossa relação", afirma Kléber.

Sobre os comentários negativos que recebem nas redes sociais, Renan explica que o que mais lhe incomoda são os julgamentos que tentam deslegitimar a relação sólida que os três mantêm. "Dizem que é putaria, que é coisa de quem não se satisfaz com uma pessoa e usa isso como desculpa. Mas quem fica cinco anos junto por putaria?!"

Satisfeitos como trisal, Kléber, Renan e Danilo avisam que o relacionamento é fechado. "A gente nunca tocou nesse assunto, sobre outras possibilidades, outras pessoas. Hoje, psicologicamente, eu ainda não tenho essa estrutura, e acredito que os meninos também", expõe Danilo.

"O amor não é igual, mas é grande"

Juntos, os três têm mais de 30 mil seguidores no Instagram, e revelam que a curiosidade mais comum aos internautas é sobre o amor. "Uma das perguntas que a gente mais recebe é se o amor é igual, se a gente se ama de forma igual. Não tem como dimensionar amor, né? Nada é igual. A gente tem nossas intimidades, nossos pontos positivos, negativos… A gente ama um por aquilo que ele é, e ama o outro por aquilo que ele é. Não tem como amar as pessoas de forma igual, equiparada. Então, não, o amor não é igual. Mas é grande."

Sobre a autora

Ana Angélica Martins Marques, a Morango, é mineira de Uberlândia, jornalista, fotógrafa e DJ. É também autora do livro de contos Quebrando o Aquário. Passou pela décima edição do Big Brother Brasil e só foi eliminada porque transformou o temido quarto branco no maior cabaré que você respeita. É vegetariana e cuida de três filhos felinos: Lua, Dylan e Mike.

Sobre o blog

Um espaço para falar de amor, sexo, comportamento feminino e feminismo com leveza e humor. Tudo sob o olhar de uma mulher esperta, que gosta de mulheres tão espertas quanto ela!