PUBLICIDADE

Topo

Histórico

“Oxe mãe, é sua nora!”: a história do canal com mais de 17 milhões de views

Universa

15/07/2020 04h00

Natália Dantas, 32, e Camila Guimarães, 29, do canal "Oxe mãe, é sua nora!" (Foto: Reprodução/Instagram)

Juntas, elas são donas de um dos canais mais bombados do YouTube, o "Oxe mãe, é sua nora!", que acumula mais de 17 milhões de visualizações. Como o próprio nome sugere, sim, elas são um casal, e é exatamente a rotina do relacionamento que expõem na plataforma.

Casadas há um ano, a arquiteta Natália Dantas e a designer de interiores Camila Guimarães se conheceram há 11, por amigos em comum – e não se deram bem logo de cara. "Nos conhecemos através de pessoas em comum que temos aqui, em Salvador, e começou com Mila não gostando de mim, chateada comigo, mas por coisas imaginárias", entrega Natália.

Veja também

Namoro depois de sete anos de amizade

As duas se tornaram amigas, confidentes e só sete anos depois decidiram tentar "algo mais". "Custou um pouco pra ter certeza que a gente não ia estragar nossa amizade. Eu não sabia o que fazer, mas dei o primeiro passo, e aí aconteceu o primeiro beijo", recorda Natália.

"A gente passou a se ver todos os dias e aí a Nat me pediu em namoro. Estávamos completamente apaixonadas. Depois  ela me pediu em noivado e, em maio do ano passado, a gente resolveu casar", conta Camila. Recentemente as duas celebraram bodas de papel, pelo primeiro ano do enlace.

"Nunca conheci ninguém que acabou namorando, noivando e casando com a amiga", conta Natália (à esquerda). As duas oficializaram o relacionamento em maio do ano passado (Foto: Reprodução/Instagram)

"A pessoa lê o canal e já sabe que somos baianas, do Nordeste"

Antes da criação do canal no YouTube, há três anos, Camila, que tem quase 70 mil seguidores no Instagram, já era digital influencer. Foi ela que convenceu Natália, que nem era muito ligada a redes sociais, a produzir conteúdo. "Muita gente perguntava sobre a nossa história, sobre a aceitação da família, e a gente acabou criando o 'Oxe mãe, é sua nora!'", explica Camila.

"A gente pensou em fazer algo pra representar a nossa cidade. A pessoa lê o canal e já sabe que somos baianas, do Nordeste", diz Natália.

Na época, as duas sentiam falta de mais representatividade LGBTQIA+, especialmente nordestina, nas redes. "A gente só encontrava casais do Rio de Janeiro e São Paulo. Não tinha ninguém do Nordeste. E já que as pessoas pediam tanto, por que não criar um canal e compartilhar nossa história? As pessoas ainda, infelizmente, são cheias de preconceito, há uma falta de informação muito grande, e nada melhor do que mostrar nosso dia a dia", pontua a arquiteta.

"O amor é pra quem tem coragem", derrete-se Natália na foto com a esposa (Foto: Reprodução/Instagram)

"Temos que demonstrar nosso amor, porque tínhamos muito menos visibilidade que agora. Agora acho que o pessoal demonstra mais, mas três anos atrás… Ave, Maria! Era muito restrito!", completa Camila.

"Nunca fui uma pessoa muito preocupada com o que pensassem de mim. Só tive um pouco mais de cuidado quando fui contar para meus familiares. Nunca tive nenhum problema por essa exposição nas redes. A gente tem colhido bons frutos em relação a isso. As pessoas vêm falar com a gente, se abrir com a gente, param na rua pra conversar, contam que aprenderam coisas com a gente", comemora Natália.

"Uma longa caminhada"

A arquiteta recorda que, por ser lésbica, teve uma adolescência diferente e precisou de tempo para se aceitar. "Não foi fácil pra mim, passei minha adolescência sendo comparada com minhas amigas. Enquanto elas namoravam, eu sempre tava sozinha, sem entender por que eu me sentia dessa forma. Até ir pra faculdade e conhecer um novo mundo. Até eu entender tudo isso, me aceitar e contar aos meus familiares, foi uma longa caminhada."

Para Camila, o entendimento da própria sexualidade foi distinto, mais simples. "Eu não tive tanta dificuldade pra me assumir. Comecei a ver mulheres com outros olhos, e minha mãe aceitou numa boa quando contei pra ela que tava me interessando por mulheres. Foi isso. Comecei a namorar e apresentei pra família."

"Minha mãe perguntou o porquê do nome do canal e respondi 'Oxe, mãe, Mila é sua nora!"' (Reprodução/Instagram)

Além do canal, Camila e Natália são sócias em uma empresa de arquitetura e design de interiores – já que até nas respectivas profissões elas se complementam. "A gente ama trabalhar juntas. A gente cria conteúdo do canal, mora juntas e ainda sai pra trabalhar juntas. Assunto é o que não falta!", diverte-se a designer.

Sobre a autora

Ana Angélica Martins Marques, a Morango, é mineira de Uberlândia, jornalista, fotógrafa e DJ. É também autora do livro de contos Quebrando o Aquário. Passou pela décima edição do Big Brother Brasil e só foi eliminada porque transformou o temido quarto branco no maior cabaré que você respeita. É vegetariana e cuida de três filhos felinos: Lua, Dylan e Mike.

Sobre o blog

Um espaço para falar de amor, sexo, comportamento feminino e feminismo com leveza e humor. Tudo sob o olhar de uma mulher esperta, que gosta de mulheres tão espertas quanto ela!