Topo
Blog da Morango

Blog da Morango

Categorias

Histórico

O que nunca dizer na cama -- e, assim, evitar uma broxada

Universa

2014-12-20T18:04:00

14/12/2018 04h00

"Na hora H ela me chamou de Laís. Mas eu me chamo Paulaaa! Foi uma bosta o resto da noite" (Foto: Arquivo Pessoal)

Se tem um jeito instantâneo de acabar com o vrau, é trocando nomes na hora H. Esse é um clássico. Se nunca aconteceu com você, relaxe e goze enquanto dá, porque um dia esse momento – infelicíssimo – pode chegar. Numa enquete no meu Instagram, o infortúnio de ouvir outro nome durante o rala e rola foi citado por quase 70% das pessoas que abriram o coração e contaram suas histórias.

"Na cama escutei um 'ai, Gabriela' ao pé do meu ouvido. Meu nome não é Gabriela. Fingi que não ouvi e segui o baile. Resumo: o romance não vingou porque a menina era doida, egoísta e, adivinhe? Anda fazendo a Gabriela de gato e sapato. Conclusão: se sair com alguém e rolar nome de outra, fuja pra bem longe! Cilada e sofrência na certa!"

"Tive um ex que ficava com várias ao mesmo tempo, mas jurava pra todas que eram únicas. Um belo dia descobri uma delas e ficamos amigas. Numa das conversas ela acabou me contando 'ah, então você é a Júlia que fulano chamou na cama duas vezes numa noite!'"

"Na primeira vez em que transei com uma namorada fomos a uma festa, bebemos muita tequila e na hora H ela me chamou de Laís. Mas eu me chamo Paulaaa! Laís era uma peguete dela. Foi uma bosta o resto da noite, do dia seguinte e da semana. Insistimos em namorar, mas deu ruim. Não tinha como ser diferente, né?! E a tal Laís morava perto. Nunca falamos dessa troca de nomes, essa ex passou por cima disso na maior."

Na lista das piores coisas pra falar na cama, trocar nomes é "hors concours" (Imagem: Reprodução/Instagram)

Trocar nomes na cama é comum e decepcionante, mas dá pra piorar – ou melhorar, se a ideia for aprender com os erros alheios. Tem gente que perde o tesão ao ouvir palavras no diminutivo como "amorzinho", "tchutchuquinha", "princesinha"; ou quando o par inventa de falar como criança ou imitar sons de animais.

Há quem curta provocações, mas com parcimônia: "Minha namorada disse que queria me estuprar, achei um pouco estranho", comentou uma internauta. E tem quem goste de uma dose de humor: "Uma vez minha mulher me chamou de 'viada'. Rimos muito".

Postei a enquete e saí correndo (Imagem: Reprodução/Instagram)

Depois de quase uma centena de respostas, selecionei as piores frases, aquelas que nunca deveriam ter sido ditas durante a transa, e aqui estão as 10 mais:

"Nossa, como você tá suculenta!"

"Meu pau é maior que o do seu ex?"

"Minha mãe chamou a gente pra ir lá almoçar"

"A minha ex fazia assim, ó…"

"Isso, me pega como homem!"

"Você me ama?"

"Pronto! Era assim que eu queria!.."

"Fala comigo!.. Fala comigo!.. Fala comigo!.."

"Você lembra a minha mãe"

"Vai, xuxu!"

O completo silêncio pode ser incômodo: "Transar com múmia não dá, né?!", respondeu uma internauta. Mas checar item por item do paranauê consegue ser ainda mais irritante: "Nossa, é horrível! Ficar o tempo todo perguntando se eu estava gostando, se gozei, se chupa bem, se eu queria que colocasse camisinha no dedo, se queria mais… Ouvi tanta coisa que me tirou o tesão! Parei a transa porque não tinha mais clima e eu não consegui gozar nem me masturbando", finalizou outra. Eu ri, mas com respeito. Acho que já dei umas escorregadas assim. Eita!

Leia também:

Aceite: você nunca terá certeza se é bom de cama

10 perguntas que você sempre quis fazer a uma lésbica

Elas falam sobre a relação a duas e arrebatam milhares de fãs no YouTube

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Ana Angélica Martins Marques, a Morango, é mineira de Uberlândia, jornalista, fotógrafa e DJ. É também autora do livro de contos Quebrando o Aquário. Passou pela décima edição do Big Brother Brasil e só foi eliminada porque transformou o temido quarto branco no maior cabaré que você respeita. É vegetariana e cuida de três filhos felinos: Lua, Dylan e Mike.

Sobre o blog

Um espaço para falar de amor, sexo, comportamento feminino e feminismo com leveza e humor. Tudo sob o olhar de uma mulher esperta, que gosta de mulheres tão espertas quanto ela!