Topo
Blog da Morango

Blog da Morango

Categorias

Histórico

Como evitar uma f*da ruim

Universa

31/07/2019 04h39

iStock

O beijo

"Não damos importância ao beijo na boca. E, no entanto, o verdadeiro defloramento é o primeiro beijo na boca. A verdadeira posse é o beijo na boca, e repito: – é o beijo na boca que faz do casal o ser único, definitivo. Tudo mais é tão secundário, tão frágil, tão irreal", grafou Nelson Rodrigues, o "anjo pornográfico", um dos maiores escritores de todos os tempos. Polêmico e reacionário, o pernambucano radicado no Rio de Janeiro faria 107 anos em agosto se não tivesse falecido em 1980, nos deixando um legado riquíssimo (e polêmico, é fato), com verdades tão nuas quanto incontestáveis. Também é dele a frase "se todos conhecessem a intimidade sexual uns dos outros, ninguém cumprimentaria ninguém".

Gaitadas à parte, a dica mais importante para evitar uma foda ruim foi dada logo na primeira linha: atenção ao beijo. E é bem provável que você já tenha pensado sobre isso – o que pode não ter evitado algumas transas ruins. Meu Deus! Para onde vai todo o conhecimento técnico e empírico que acumulamos ao longo dos anos, que não nos salva de fodinhas mequetrefes de vez em quando?! O que acontece?! Desatenção? Teimosia? Carência?

Veja também:

Pra evitar um sexo ruim, é importante definir o que é um sexo bom. Aí, temos um pequeno desafio: gosto é muito particular. O que para uma pessoa pode ser a trepada do século, para a outra pode ser a transa mais meia-boca da vida! Então, como entrar em consenso e ver estrelinhas juntxs?

"Conhece-te a ti mesmo"

Essa máxima, importantíssima na filosofia, é a inscrição da entrada do templo de Apolo, o deus do sol, da juventude e da luz, em Delfos, na Grécia. A frase completa é "conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo". Subvertendo o sentido para além do filosófico, eu diria que é uma bela sugestão para o autoconhecimento por meio do auto-prazer, ou seja a masturbação.

A verdade

Não importa se a intenção é só um pente e rala ou se vocês já estão juntxs e shallow now: não faz sentido mentir sobre as preferências na cama, muito menos performar sobre ela – se essa não é a sua vibe. O objetivo é conseguir orgasmos, não o Oscar.

Despretensão e autoconfiança

Tenho algumas amigas que brincam que têm dois tipos de calcinha: as especiais, pra usar no dia em que vão transar; e as nada especiais, pra usar em todos os outros dias. É uma brincadeira, claro, até porque existe uma lógica muito louca que aponta na direção contrária: justamente quando estamos com lingeries surradas ou descombinando, parecemos mais atraentes. A mágica? Despretensão. Acontece algo parecido quando estamos há muito tempo na seca: não aparece uma vivalma pra dar uns beijos na boca. Basta começar um relacionamento e brotam pretendentes até da  Cochinchina mandando aquele canastríssimo "oi, sumida". No sexo, que de certa forma é um jogo de equilíbrio e descontrole, autoconfiança e uma pitada de despretensão, de indiferença, podem provocar reações eletrizantes.

Se der ruim…

Rolou atração, sintonia, o beijo encaixou, mas hora H… necas de pitibiriba. "E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou…" Homens e mulheres broxam. Às vezes porque estão com a cabeça nos boletos, na janta, na ex… Além disso, milhões de outros motivos podem fazer o date ser uma desgraça. Alguém ali pode estar bêbado demais, chato demais, afobado demais ou com preguiça demais – e esse alguém pode ser a gente, inclusive. Se tiver tempo sobrando, um banho, uma pizza e uns vídeos engraçados no YouTube podem estimular o cérebro a liberar serotonina e outros hormônios de prazer e bem-estar, e deixar a retomada do sexo melhor do que o comecinho. Se não houver tempo, nem vontade de um repeteco, tudo bem. Acontece com todo mundo. Nesse caso, três passos podem ser dados: três passos até a porta e tchau, brigado.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Ana Angélica Martins Marques, a Morango, é mineira de Uberlândia, jornalista, fotógrafa e DJ. É também autora do livro de contos Quebrando o Aquário. Passou pela décima edição do Big Brother Brasil e só foi eliminada porque transformou o temido quarto branco no maior cabaré que você respeita. É vegetariana e cuida de três filhos felinos: Lua, Dylan e Mike.

Sobre o blog

Um espaço para falar de amor, sexo, comportamento feminino e feminismo com leveza e humor. Tudo sob o olhar de uma mulher esperta, que gosta de mulheres tão espertas quanto ela!