Topo

Histórico

Categorias

“Não sinto mais atração pela minha mulher. É possível voltar a sentir?”

Universa

14/08/2019 04h00

Foto: Getty Images

Juntas há sete anos, Ana Paula* e Karina* são só sorrisos nas redes sociais, onde exibem com orgulho o bebê que tiveram recentemente. À primeira vista, o casal parece viver um conto de fadas contemporâneo. Parece. "O sexo nunca foi incrível. Sempre que eu a procurava, ela estava cansada. Até que chegou um momento em que eu não quis mais. Acho que criei um bloqueio em relação a ela. A maternidade deixou as coisas ainda mais difíceis e fez a relação esfriar", entrega Ana Paula. "Não sinto mais atração pela minha mulher. É possível voltar a sentir? Pra piorar, tô de quatro por outra pessoa." O desabafo, que também é um pedido de ajuda, foi deixado na caixa de mensagens privadas do meu Instagram.

É possível recuperar o desejo pela mesma pessoa?

A resposta é "sim". Mas não por milagre. Psiquiatra e psicanalista, Bruno Branquinho revela que a queixa de que o relacionamento conjugal "esfriou" após algum tempo de relação é bastante frequente em seu consultório em Pinheiros, bairro nobre de São Paulo. "Primeiro temos que determinar o que o paciente quer dizer com isso, pra depois pensar em como agir. A primeira pergunta a ser feita é: a libido da pessoa está normal? Ou seja, como está o desejo sexual? Sente vontade de transar com o(a) parceiro(a) ou com outras pessoas? Tem se masturbado? Porque o desejo sexual baixo pode ter causas psíquicas, como a depressão, por exemplo, ou orgânicas, causadas por alterações hormonais, entre outros fatores."

O médico explica ainda que é natural que a relação mude com o tempo. "O que antes envolvia desejo sexual pode se tornar apenas amor e admiração. Há uma mudança na forma de se relacionar com o outro e isso vai incluir o sexo, porque já não há mais a intensidade e a novidade do começo. Muitas vezes, o que se perde em frequência se ganha em intimidade e conhecimento do corpo do outro. O ideal seria que o casal conversasse a respeito para entender qual é o melhor caminho para ambas. Virarem apenas amigas? Abrirem a relação?" Para Bruno, "se o desejo sexual está presente, mas o sexo está menos frequente ou monótono, é importante refletir sobre as expectativas. O sexo está ruim ou havia a ideia de que o sexo seria sempre como era no começo?", instiga.

Leia também:

Quer ter um relacionamento aberto? Leia estas histórias antes

Por que sapatão parcela o término do namoro em 24x no carnê?

"Devo terminar meu casamento para assumir minha bissexualidade?"

Expectativa x realidade

Quem já viveu relacionamentos longos conhece esse dilema. No começo, tudo parece bem mais colorido do que de fato é. Relativizamos as falhas, supervalorizamos as virtudes e fazemos as melhores projeções possíveis para aquele romance "que tem tudo para ser perfeito" – e às vezes até é. Por um tempo. "A paixão dura dois anos, no máximo", pregam os especialistas. Se resistisse mais, entraríamos em colapso. Então, quando se esvai, aquele espaço no peito é tomado por outros sentimentos, bons ou ruins. Afinal, amor e abdicação precisam coexistir ou essa é só uma idealização perigosa que camufla um abismo de solidão compartilhada?

Erros e acertos fazem parte da nossa jornada individual. Sempre teremos inúmeras possibilidades, e sempre nos perguntaremos como seria se tivéssemos feito outras escolhas. Sempre.

*Nomes fictícios.

Sobre a autora

Ana Angélica Martins Marques, a Morango, é mineira de Uberlândia, jornalista, fotógrafa e DJ. É também autora do livro de contos Quebrando o Aquário. Passou pela décima edição do Big Brother Brasil e só foi eliminada porque transformou o temido quarto branco no maior cabaré que você respeita. É vegetariana e cuida de três filhos felinos: Lua, Dylan e Mike.

Sobre o blog

Um espaço para falar de amor, sexo, comportamento feminino e feminismo com leveza e humor. Tudo sob o olhar de uma mulher esperta, que gosta de mulheres tão espertas quanto ela!

Blog da Morango