menu
Topo
Blog da Morango

Blog da Morango

Categorias

Histórico

Lésbica, feminista e militante: um mergulho em Gabriela, do BBB19

Universa

10/01/2019 10h28

Gabriela Hebling (Foto: Reprodução/Instagram)

"Meu nome é Gabriela, sou de Ribeirão Preto, mas nascida em São Paulo. Trabalho com designer gráfico, com fotografia, com música profissional: eu toco percussão e canto. Eu sou adotada, minha família inteira sou eu, minha mãe e minha irmã. Minha mãe é mulher solteira, ela lutou a vida inteira, ainda mais por ter uma filha negra e uma filha branca, né?! A minha maior qualidade é não ter preguiça das coisas. Sou uma garota que batalhou muito e vai continuar batalhando muito nessa vida", é assim que Gabriela Hebling, de 32 anos, se apresenta no VT de chamada do Big Brother Brasil. Os participantes foram anunciados nessa quarta-feira (9).

Lésbica, feminista e militante, Gabriela se impõe 'eu, mulher negra, resisto e me empodero' e também se desvela em seu Instagram  que é pura representatividade. Foi lá que encontrei sua biografia, em uma postagem visceral e emocionante, escrita três meses atrás:

Adoção e infância

"Nasci como uma estrela solitária, com a alma ferida entre braços que queriam me dar amor, outros que choravam pela minha ida. Sou fruto de uma mãe que aguentou tudo e desistiu e de um pai ausente na vida dela, desculpado pelo patriarcado. Logo criança identifiquei essas dores e a minha cabecinha ficava matutando esse processo. Não foi fácil e ainda não é… acho que todo mundo precisa fazer terapia. A minha sorte foi por ter tido um encontro lindo de almas, pelo zelo e cuidado de minha mãe. Agradeço a essa leoa por ter me proporcionado o real significado da palavra amor."

Gabriela e a mãe (Foto: Reprodução/Instagram)

"Nunca me achei bonita porque a sociedade me dizia que eu não era"

"Me descobrir negra não foi nada fácil. Tive que ser firme e foi um processo de descoberta (identidade individual) inicialmente doloroso e depois libertador. Nunca me achei bonita porque a sociedade me dizia que eu não era, mas criei algumas formas para ser enxergada como indivíduo. Por mais que eu tirasse notas boas, fosse saudável e inteligente, uma sensação de inadequação me perseguia. Por muito tempo me escondi por trás das minhas tranças coloridas, com vergonha de mostrar meu cabelo natural – inclusive por anos minha mãe não viu. Era a palhaça da turma, chefe dos paredões da escola, a dançarina, a magricela que causava, a menina que vocês conseguiram embranquecer. Como ninguém me fazia me sentir segura, criei as minhas artimanhas sozinha e silenciei para a minha mãe", revelou Gabriela.

"Não baixo a cabeça pra mané algum" (Foto: Reprodução/Instagram)

Por fim, ela desabafa e afronta: "A vida de uma mulher preta não é fácil. Fomos obrigadas a ser fortes e esse é o peso que carrego diariamente e lutarei sempre. Não baixo a cabeça pra mané algum. 'Eu, mulher negra, resisto e me empodero'".

Em tempos de um cenário político que de tão surreal parece brincadeira, poder torcer por alguém consistente como Gabriela será um alento. BBB acima de tudo, Boninho acima de todos!

Leia também:

O "black Twitter" e a revolução da representatividade negra 

"Eu era hétero até me apaixonar por outra mulher"; veja quatro relatos

10 perguntas que você sempre quis fazer a uma lésbica 

Sobre a autora

Ana Angélica Martins Marques, a Morango, é mineira de Uberlândia, jornalista, fotógrafa e DJ. É também autora do livro de contos Quebrando o Aquário. Passou pela décima edição do Big Brother Brasil e só foi eliminada porque transformou o temido quarto branco no maior cabaré que você respeita. É vegetariana e cuida de três filhos felinos: Lua, Dylan e Mike.

Sobre o blog

Um espaço para falar de amor, sexo, comportamento feminino e feminismo com leveza e humor. Tudo sob o olhar de uma mulher esperta, que gosta de mulheres tão espertas quanto ela!